AS APARIÇÕES DE JACAREÍ-SP-BRASIL SAIBA MAIS! @Marcostaddeu Informe-se pelo TEL: (0XX12) 9 9701-2427 e-mail: santuariodejacarei@gmail.com BLOG OFICIAL

terça-feira, 30 de maio de 2017

30 de maio - Dia de Santa Joana d'Arc


PALESTRA DO VIDENTE MARCOS TADEU APÓS A EXIBIÇÃO DESTE FILME NA CAPELA DAS APARIÇÕES NO DIA 06.11.2011





Santa Joana d'Arc

1412-1431



Filha de Jaques d'Arc e Isabel, camponeses muito pobres, Joana nasceu em Domrémy, na região francesa de Lorena, em 6 de janeiro de 1412. Cresceu no meio rural, piedosa, devota e analfabeta, assinava seu nome utilizando uma simples, mas significativa, cruz. Significativa porque já aos treze anos começou a viver experiências místicas. 

Ouvia as "vozes" do arcanjo Miguel, das santas Catarina de Alexandria e Margarida de Antioquia, avisando que ela teria uma importante missão pela frente e deveria preparar-se para ela. Os pais, no início, não deram importância , depois acharam que estava louca e por fim acreditaram, mas temeram por Joana.

A França vivia a Guerra dos Cem Anos com a Inglaterra, governada por Henrique VI. Os franceses estavam enfraquecidos com o rei deposto e os ingleses tentando firmar seus exércitos para tomar de vez o trono. As mensagens que Joana recebia exigiam que ela expulsasse os invasores, reconquistasse a cidade de Orleans e reconduzisse ao trono o rei Carlos VII, para ser coroado na catedral de Reims, novamente como legítimo rei da França. A ordem para ela não parecia impossível, bastava cumpri-la, pois tinha certeza de que Deus estava a seu lado. O problema maior era conseguir falar pessoalmente com o rei deposto.

Conseguiu aos dezoito anos de idade. Carlos VII só concordou em seguir seus conselhos quando percebeu que ela realmente tinha por trás de si o sinal de Deus. Isso porque Joana falou com o rei sobre assuntos que na verdade eram segredos militares e de Estado, que ninguém conhecia, a não ser ele. Deu-lhe, então, a chefia de seus exércitos. Joana vestiu armadura de aço, empunhou como única arma uma bandeira com a cruz e os nomes de Jesus e Maria nela bordados, chamando os comandantes à luta pela pátria e por Deus.

E o que aconteceu na batalha que teve aquela figura feminina, jovem e mística, que nada entendia de táticas ou estratégias militares, à frente dos soldados, foi inenarrável. Os franceses sitiados reagiram e venceram os invasores ingleses, livrando o país da submissão.

Carlos VII foi, então, coroado na catedral de Reims, como era tradição na realeza francesa.

A luta pela reconquista demorara cerca de um ano e ela desejava voltar para sua vida simples no campo. Mas o rei exigiu que ela continuasse comandando os exércitos na reconquista de Paris. Ela obedeceu, mas foi ferida e também traída, sendo vendida para os ingleses, que decidiram julgá-la por heresia. Num processo religioso grotesco, completamente ilegal, foi condenada à fogueira como "feiticeira, blasfema e herética". Tinha dezenove anos e morreu murmurando os nomes de Jesus e Maria, em 30 de maio de 1431, diante da comoção popular na praça do Mercado Vermelho, em Rouen.

Não fossem os fatos devidamente conhecidos e comprovados, seria difícil crer na existência dessa jovem mártir, que sacrificou sua vida pela libertação de sua pátria e de seu povo. Vinte anos depois, o processo foi revisto pelo papa Calisto III, que constatou a injustiça e a reabilitou. Joana d'Arc foi canonizada em 1920 pelo papa Bento XV, sendo proclamada padroeira da França. O dia de hoje é comemorado na França como data nacional, em memória de santa Joana d'Arc, mártir da pátria e da fé.



OS MILAGRES DE SANTA JOANA DARC PARA SUA BEATIFICAÇÃO E CANONIZAÇÃO.

No processo de declaração de uma pessoa a "santo" os promotores da causa do santo em perspectiva são convidados a apresentar quatro autênticos milagres para garantir a beatificação e para a canonização mais dois milagres.

O Santo Padre pode dispensar um milagre se o candidato fundou uma ordem religiosa. 
No caso de Joana D'Arc , esta dispensa foi concedida porque ela tinha salvado a França. 
Assim, três milagres foram suficientes para a sua beatificação. 

Os três milagres aprovados que levaram Joana a Beata foram estes:
1) Irmã Teresa de Santo Agostinho, que viveu em Orleans, foi curada de úlceras na perna.

2) A irmã Julie Gauthier, que viveu em Faverolles, foi curada de uma úlcera cancerosa em seu peito esquerdo.

3) Irmã Marie Sagnier, que viveu em Frages, foi milagrosamente curada de um câncer do estômago.

O Papa Pio X solenemente aceitou esses três milagres como autênticos em 13 de dezembro de 1908. 

Ele declarou, "Joana de Arc brilhou como uma estrela nova destinada a ser a glória, não só da França, mas da Igreja Universal também."

Foi por causa de sua virtude heróica que ela foi declarada Beata em 18 de abril de 1909.

O Partido Socialista na França era muito anti-clerical e queria canonizar Joana d'Arc para que eles pudessem usar sua imagem estritamente como uma heroína política. 

Entre 1895 e 1905, as relações entre o governo socialista e a Santa Sé, pioraram ao ponto de um colapso total. 

Francaise L 'Action, uma organização monarquista político conservadora, trabalhou e saiu às ruas para derrubar o governo socialista. 

Esta organização também trabalhou para a canonização de Joana.

Os dois milagres necessários para a canonização de Joana d'Arc foram obtidos e autenticados sem muita demora, mas a I Guerra Mundial pôs fim a todas essas atividades. 

Em 1920, quando a guerra acabou e os franceses saíram vitoriosos, o Vaticano queria melhorar as relações com o governo socialista.

A Santa Sé estava disposta a dar-lhes a santa, se o governo francês restabelecesse as relações diplomáticas.

Em seu livro, Saint Joan of Arc, Mons. Leon Cristiani descreveu sua ligação a um dos dois milagres que levaram Joana D'Arc oficialmente a ser declarada santa pela Igreja. 

O milagre que ele testemunhou ocorreu em Lourdes, em 22 de agosto de 1909, durante a procissão do Santíssimo Sacramento.


A pessoa em questão era Thérèse Belin, que estava inconscientequando o Santíssimo Sacramento passou à sua frente. Mons. Cristiani estava desejoso de ver Joana canonizada. 

Ele obteve permissão do Bispo de Orleans para chamar Joana D'Arc durante a bênção dos enfermos, na esperança que um milagre poderia ocorrer que poderiam ser atribuídos à intercessão de Joana. 

Na primeira invocação a Beata Joana de Arc, Teresa abriu os olhos, na segunda ela se sentou em sua maca e no terceira ela sentiu que tinha sido curada. 

Mons. Cristiani depois entrevistou Teresa e sua madrinha sobre sua doença.

Informaram-lhe as várias fases de sua doença, as operações que ela teve e os remédios que haviam sido usados ​​sem efeito. 

Seu diagnóstico médico foi de tuberculose peritoneal e pulmonar, complicada por uma lesão orgânica do orifício mitral. 

Em outras palavras, teve tuberculose em seus pulmões e na cavidade abdominal, que foi complicada por uma lesão orgânica de sua válvula mitral do coração - obviamente ela estava muito doente.

Outra cura reconhecida ocorreu a Miss Mirandelle que tinha um diagnóstico de mal perfurante plantar o que significa que ela tinha um buraco que atravessou a planta de seu pé.

Joana d'Arc foi canonizada em uma cerimônia grandiosa e solene na Basílica de São Pedro em 16 de maio de 1920. 

Sua festa é celebrada em 30 de maio, o dia de sua morte.

Em 10 de julho de 1920, o governo francês fez oficialmente 08 de maio como feriado nacional.

E pelo 20 de novembro deste mesmo ano, retomou as relações diplomáticas com a Santa Sé.

No aniversário de cinco centésimo de Joana d'Arc da morte, 30 de maio de 1931, houve uma grande celebração em Rouen para marcar este aniversário. 

Representantes do governo, exército, universidades, parlamentares, magistrados, o clero e papado compareceram.

Mesmo o arcebispo de Westminster, Prelado de toda a Inglaterra, veio para expressar a sua grande admiração de suas virtudes.


Desde a infância mais precoce Joana d`Arc orou ardentemente a partir de seu coração. 

Sua vida de oração levou a uma fé fervorosa em Deus. Sua fé em Deus levou-a a amá-lo profundamente. 

Este intenso amor a levou a aceitar a vontade de Deus para sua vida. 

Se orarmos, crermos e amarmos serenamente como Joana fez, então nós também seremos usados por Deus!

Este é o segredo para a santidade de Joana, ela ouviu, respondeu e obedeceu. 

"Aqui eu estou o Senhor! Eu venho para fazer a Tua vontade!" Ela declarou em seu julgamento, e sua mensagem para nós é: 

"Eu acreditava que era um anjo falando comigo, e eu tive a vontade de acreditar."

O primeiro milagre.

Irmã Teresa de Santo Agostinho, uma freira beneditina de Orleans, foi atacada em Dezembro de 1897, por dores agudas no estômago. Estas aumentaram continuamente, acompanhadas pela doença freqüente, até maio de 1900, ela teve vômitos de sangue tão exaustivos que ela parecia estar quase morta.

Daquele momento em diante, ela nunca saiu de sua cama. Os vômitos se tornaram quase diários e de reincidência constante. Ela estava no dilema de asfixia, se ela tomasse qualquer alimento, ou de morrer de fome se ela não o tomasse.

O médico esperava que ela tivesse morte rápida.

Nestas condições uma novena a Joana d'Arc foi iniciada em 30 de julho de 1900.

Os vômitos de sangue continuaram quase incessantemente.

Em 6 de agosto foram mais freqüentes do que nunca.

Na noite de 6 a 7, houve uma crise de fraqueza e de síncope.

No dia 7 os vômitos foram renovados.

Na noite de 7 de agosto, no auge da crise, a Irmã Teresa pede seu hábito, dizendo que ela ia se levantar no dia seguinte, porque ela vai ficar curada.

As irmãs presentes dizem uma a outra, "Peguem o hábito dela, ela vai se preparar para seu enterro."

Enquanto isso, a Irmã Teresa adormeceu até duas horas da manhã. Ao som do sino para Matinas ela queria subir. Foi-lhe dito para permanecer em silêncio até cinco e meia, e ela obedeceu.

Às cinco e meia, na manhã de 8 de agosto, ela se vestiu, desceu para a capela, e orou com os braços estendidos na forma de uma cruz, recebeu a Sagrada Comunhão, jantou com a comunidade sobre a tarifa comum, e não sofreu qualquer inconveniência.

Desde aquela época, a cura perfeita e instantânea foi devidamente fundamentada pela experiência subseqüente de fé na novena.

O segundo milagre.

Irmã Julie Gauthier, de Favrolles na diocese de Evruex, sofreudurante quinze anos a partir de uma úlcera cancerosa na mamaesquerda. Um dia, ela estava falando com sua classe de crianças sobre Joana d'Arc, a idéia ocorreu-lhe de fazer uma novena para a Donzela, pois ela havia deixado de lado toda a esperança de cura por meios naturais.

Mas seus sofrimentos eram tão grandes que ela temia ser incapaz de fazer uma novena de oração seguida em nove dias.

Ela lembrou-se então de um plano pelo qual a novena pode ser prontamente concluída. Ela levaria oito das crianças de sua classe para rezar e ela mesma iria fazer a nona oração. Eles iriam juntos dizer as orações por sua recuperação em uma única visita à igreja.

Reunir as crianças ao seu redor e ir com elas rezar ou receber os Santos Sacramentos, era uma das delícias de Joana d'Arc. Ela faria a mesma coisa.

Eles foram, e, em seguida, e a irmã Julie, que com dificuldade tinha sido capaz de ir tão a igreja, voltou em pleno vigor. A ferida foi fechada, e a irmã Julie estava perfeita e definitivamente curada.

O terceiro milagre.

Marie Sagnier, de Fruges na diocese de Arras, uma freira da congregação da Sagrada Família, sofreu durante três meses de úlceras e abcessos em ambas as pernas. A doença foi diagnosticada como sendo uma afeição tuberculosa da carne e ossos.

Ela fez uma novena a Joana d'Arc. Na manhã do quinto dia os curativos se soltaram, a inflamação tinha desaparecido, as úlceras e os ferimentos foram curados, os ossos haviam se tornados firmes, e Marie Sagnier havia recuperado seu vigor antigo, que tem sido mantido desde então.

Oração a Santa Joana DÁrc

Ó mais pura Virgem e Gloriosa mártir Santa Joana da qual Deus e Seu Eterno Poder tem revelado para o mundo de modo a reviver a fé, a esperança e a caridade das almas cristãs.

Eu me prostro a vossos pés minha querida santa, digna ,virgem, cheia de graça e bondade e peço que receba as orações deste seu humilde servo e obtenha para mim a pureza de teu terrível sacrifício e a fortaleza de sua alma e faça com que eu resista aos mais terríveis ataques e que eu venha a sentir este seu amor ardente para o Nosso Senhor Jesus Cristo, amor este que os mais terríveis tormentos não o fez extinguir em ti .

Assim espero que seguindo este exemplo santo e imitando sua vida, eu possa um dia estar contigo no paraíso. Na hora de minha agonia final venha em meu socorro, fique ao meu lado e me conduza a presença de Jesus.

Amem.

Oração a Santa Joana DÁrc

Senhor,
suplicamos-Lhe o perdão dos nossos pecados pela intercessão de Santa Joana , virgem e mártir, pela sua castidade de vida e cada virtude que a tornou agradável aos Seu olhos. Amém. Santa Joana, eis-me aqui, prostrado diante do trono em que apraz à Santíssima Trindade colocá-la.

Cheio de confiança em sua proteção, rogo-lhe que interceda por mim diante de Deus,dignando-se lançar um olhar sobre este seu humilde devoto.

Como a uma das esposas eleitas de Cristo, dirijo-lhe confiantemente o meu pedido de que me sustente no sofrimento, fortifique-me nas tentações, proteja-me dos perigos que me rodeiam, obtendo-me as graças de que tanto necessito, em particular (especifique, aqui, o seu pedido)...

Acima de tudo, espero contar com a sua santa assistência na hora da minha morte.

Santa Joana, pela sua poderosa intercessão junto de Deus, rogai por nós!

Santíssima Trindade, nunca cessaremos de Lhe agradecer pelas graças concedidas à bem-aventurada sempre virgem Maria e à Sua serva Santa Joana, e pela intercessão de ambas imploramos, mais uma vez, que tenha piedade de nós. Amém.


  


JOANA D'ARC
A Donzela de Orleans
Heroína Nacional da França


Joana d ’Arc, by Jan Matejko


Joana d’Arc teria nascido em 6 de janeiro de 1412 na pequena aldeia de Domrémy, na região da Lorena no noroeste da França. Seu nome verdadeiro era Jehanne d'Arc, mas ela preferia ser chamada de "Jehanne, la Pucelle", Donzela Joana, e tinha doze anos quando ouviu, pela primeira vez, uma voz lhe dizer que deveria libertar o seu país dos invasores ingleses. Obstinada em cumprir seu chamado, cumpriu quase tudo que se determinou mas, caída nas mãos do inimigo e negligenciada por seu próprio rei, foi queimada viva em 30 de maio de 1431.   


A PROFECIA SE CUMPRE

A Guerra dos Cem Anos, logo após o período das grandes Cruzadas, precedeu o nascimento de Joana d’Arc e perdurou até 1453. Travada entre fidalgos em disputa pela coroa francesa, a guerra se passava totalmente em território francês e muitas aldeias eram devastadas. Contando com a ajuda de seu aliado, o Duque de Borgonha, até Paris encontrava-se nas mãos dos ingleses e, quando a França precisou de líderes, estes se mostraram incapazes.

Delfim Carlos era sutil, ardiloso e astuto mas, revelava-se confuso. Ansiava por ser declarado filho legítimo do rei da França e, de certo modo, tinha medo disso. Sua infância fora marcada por um pai louco e uma mãe devassa e sua vida governada pela dúvida. Será que queria ser o legítimo rei da França? Será que realmente o era? Será que queria lutar para libertar o país do jugo inglês? Quando tudo parecia perdido, começam a circular os rumores de uma profecia em que a França seria arruinada por uma mulher libertina de terra estrangeira e seria salva por uma donzela da Lorena. A primeira parte da profecia se referia a Rainha Isabel mas a segunda, gerava dúvidas. Salvar o reino da França somente poderia ser feito por um guerreiro, nobre e notável.

No início de 1429, quase todo o norte da França e algumas partes do sudoeste estavam sob controle estrangeiro. Os ingleses controlavam Paris, enquanto os burguinhões controlavam Reims, importante local tradicional das coroações e consagrações francesas, especialmente porque nenhum dos pretendentes ao trono da França havia sido ainda coroado. Os ingleses mantinham o cerco a Orleans, a única cidade francesa leal, remanescente ao norte do Loire, último obstáculo a um assalto ao coração da França. Do destino de Orleans, dependia o destino de todo o reino e ninguém estava otimista quanto ao tempo a que ela resistiria sob o cerco.


A França durante a Guerra dos cem anos (1435).


VIDA DE JOANA D’ARC

Aproximadamente 16 anos antes do cerco a Orleans, Jacques D'Arc e sua mulher Isabelle Romée esperavam o quarto filho quando nasceu Joana. Jacques era de Arc-en-Barrois e, por não ter um sobrenome legal, era chamado segundo sua terra natal. Isabelle ao se casar herdara a casa na pequena aldeia pertencente ao ducado de Bar, depois anexada à provincia de Lorena e renomeada como Domrémy-la-Pucelle. Lá os filhos tinham nascido e, com alguns produtos agrícolas que plantavam e um pequeno rebanho, o casal conseguia alimentar e vestir a família. Domrémy estava em uma área do noroeste que permanecia leal à França; circundada por territórios Burguinhões, foi várias vezes atacada e numa ocasião foi incendiada.


A casa de Joana d’Arc em Domrémy, atualmente um museu.


Em seu julgamento, Joana disse ter aproximadamente 19 anos, portanto nascida em 1412 e sua primeira visão em 1424, aos 12 anos de idade, quando se achava sozinha no campo, e também ouviu vozes. Ela afirmou que São Miguel, Santa Catarina e Santa Margarete disseram-lhe para expulsar os ingleses e conduzir o Delfim Carlos até Reims para sua coroação, e que chorou quando a visão desapareceu, pois, eram muito lindas.



Joana d’Arc recebe as visões.
Vitral da igreja de St Jacques de Compiégne.


ASCENSÃO MILITAR DE JOANA 


Sua primeira tarefa seria obter apoio do senhor Robert de Baudricourt, que vivia em Vaucouleurs, não muito longe de Domrémy. Durant Laxart, marido de sua prima Jeanne le Vauseul, sabendo sobre as visões da jovem prometeu ajudá-la no que fosse necessário e assim, partiram sem comunicar nada a ninguém.
Em Vaucouleurs, localizaram o castelo e foram até o salão principal, onde estava o capitão Baudricourt. Ela não tentou usar de estratagemas: "É a vontade de meu Senhor que o delfim torne-se rei e passe a comandar o reino. Apesar dos seus inimigos, ele será rei. Eu mesma o levarei para ser coroado." "Quem é você?" "Eu fui escolhida. Sou Joana D'Arc." "E quem é o seu senhor?", perguntou Baudricourt. "O rei dos Céus!" respondeu Joana, com simplicidade.
Baudricourt riu, mandou que Durant levasse a menina Joana de volta aos pais e que eles lhe dessem uma boa surra. Ela volta desencorajada. Sabia que não seria fácil, pois as vozes lhe haviam dito que Baudricourt não daria atenção na primeira tentativa e pensou que talvez fosse melhor esquecer, por enquanto, esse louco sentido de "missão".
No outono de 1428, os acontecimentos tornaram Joana mais consciente de que o país precisava de sua ajuda. Espalhou-se a notícia de que os exércitos burguinhões preparavam-se para atacar Domrémy e, por segurança, todos os moradores da aldeia tiveram que fugir para uma cidade fortificada próxima. Quando voltaram, ficaram horrorizados com a brutalidade dos burguinhões, tinham desfigurado até a Igreja. O que aconteceu em Domrémy, repetia-se em toda a França e em outubro, os ingleses sitiaram Orleans, uma das cidades mais importantes, ainda sob o controle dos franceses.

Joana retornou a Vancoulers em janeiro e obteve o apoio de dois homens de reputação: Jean de Metz e Bertrand de Poulengy. Com a ajuda deles obteve uma segunda entrevista, fez uma extraordinária predição sobre uma reversão militar nas proximidades de Orleans e Robert de Baudricourt concedeu-lhe uma escolta para visitar Chinon. Ela viajou com disfarce masculino através do território burguinhão hostil e ao chegar à corte, impressionou o Delfim Carlos durante uma entrevista particular.




Joana reconhece o Delfim, em Chinon.


Nesse ínterim a sogra de Carlos, Yolanda de Aragão estava financiando uma expedição de socorro a Orleans e Joana pediu permissão para viajar com o exército, vestida como um cavaleiro. As lideranças da França estavam desmoralizadas e desacreditadas, todas as opções haviam sido tentadas e haviam falhado. Joana aparece como um sopro de esperança para um regime à beira do colapso, pois apenas um governo em desespero daria atenção a uma menina do campo, analfabeta, que afirmava que a voz de Deus estava instruindo-a a tomar conta do exército de seu país e conduzi-lo à vitória.


 Chinon, sede da corte onde Joana encontrou o Delfim Carlos. 



"Rei da Inglaterra, e você, Duque de Bedford, que chama a si mesmo regente do reino da França. Liquidem a sua dívida com rei do Céu; devolvam à Donzela, que é a enviada do rei do Céu, as chaves de todas as boas cidades que vocês tomaram e violaram na França". Sua carta ao rei inglês, Março-Abril de 1429; Quicherat I, p. 240,


Entretanto, os Conselheiros de Carlos, preocupados com que Joana pudesse ser declarada uma herege ou uma feiticeira e que os inimigos alegassem que seu reino tinha sido um presente do diabo, induziram o Delfim a ordenar investigações e uma análise teológica em Poitiers, a fim de verificar sua idoneidade moral. 

Em abril de 1429, a comissão de inquérito, “declarou-a de vida irrepreensível e boa cristã, possuidora das virtudes da humildade, honestidade e simplicidade.” Os teólogos de Poitiers não emitiram juízos de valor sobre sua inspiração divina, informaram ao Delfim que havia uma “presunção favorável sobre a natureza divina de sua missão” mas, declaravam ser unicamente da corte a responsabilidade por colocar Joana à prova. E o critério para a veracidade de seus créditos, seria o levantamento do cerco de Orléans. 

Ela chegou ao cerco em 29 de abril de 1429. Jean d'Orleans, o chefe interino da cidade, inicialmente excluiu-a dos conselhos de guerra mas, sua determinação teve grande efeito sobre o moral e logo seus colegas oficiais a estimavam como estrategista hábil e de sucesso. Ela passou a liderar o exército em uma série incrível de vitórias que reverteu a maré da guerra.




Joana entra em Orleans.


LIDERANÇA


Joana desafiou a estratégia cautelosa que caracterizava a liderança francesa. Em 4 de Maio, os franceses atacaram e capturaram a fortaleza de Saint Loup. Em 5 de maio, capturaram a fortaleza Saint Jean le Blanc, encontrada já abandonada, numa vitória sem derramamento de sangue. No dia seguinte ela exigiu um outro ataque sobre o inimigo e, quando Jean d'Orleans ordenou que os portões fossem fechados para evitar uma nova batalha, ela convocou os cidadãos e os soldados comuns e obrigou o prefeito a abrir um portão. Com o auxílio de apenas um capitão, saiu e capturou a fortaleza de Santo Augustins. Na mesma noite, enquanto os líderes decidiam esperar por reforços antes de agir novamente, ela insistiu em atacar o principal reduto Inglês chamado "Les Tourelles". Em 7 de Maio foi reconhecida como a heroína do encontro depois que sofreu um ferimento a flecha no pescoço, mas voltou a liderar a carga final.




Jehanne la Pucelle, em ação contra os ingleses.



"... a Donzela faz com que você saiba que aqui, em oito dias, ela tem expulsado os ingleses de todos os lugares que ocupavam sobre o Rio Loire, pelo ataque ou outros meios eles estão mortos, presos ou desanimados na batalha. Acredite no que você já ouviu falar sobre o conde de Suffolk, o senhor la Pole e seu irmão, o senhor Talbot, as escalas senhor, e Sir Fastolf, muitos cavaleiros e capitães mais do que estes são derrotados". Sua carta aos cidadãos de Tournai, 25 pp junho 1429; Quicherat V, 125-126




Fortificação em Beaugency, uma das poucas sobreviventes das batalhas de Joana. Os defensores ingleses recuaram para a torre no canto superior direito, após os franceses violarem o muro da cidade.


No rescaldo da vitória, ela convence Carlos VII a conceder-lhe o co-comando do exército juntamente com John II, duque de Alençon e obtém permissão real para o seu plano de recuperar as pontes próximas ao longo do Loire, como um prelúdio para o avanço até Reims e a coroação. Era uma proposta ousada, Reims estava duas vezes mais distante que Paris e profundamente dentro do território inimigo.



Catedral de Notre-Dame de Reims.
Local tradicional de consagração e coroação dos sobreranos franceses.
O exército recuperou Jargeau em 12 de Junho, Meung-sur-Loire, em 15 de junho, então Beaugency em 17 de Junho. Um esperado reforço inglês chegou em 18 de Junho, sob o comando de Sir John Fastolf. A vanguarda francesa atacou os arqueiros ingleses, de surpresa, antes que terminassem os preparativos defensivos. Na derrota que se seguiu, o corpo principal do exército inglês foi devastado e a maioria de seus comandantes, mortos ou capturados. Fastolf escapou com um pequeno grupo de soldados e tornou-se o bode expiatório para a humilhação dos ingleses. Os franceses sofreram perdas mínimas. Em 29 de junho, o exército francês partiu de Gien-sur-Loire para Reims e, em 3 de julho aceitou a rendição incondicional da cidade de Auxerre, sob domínio da Borgonha. Todas as outras cidades em seu caminho voltaram à fidelidade francesa, sem resistência. Troyes, o lugar do Tratado que tentou deserdar Carlos VII, capitulou após um cerco de quatro dias, sem derramamento de sangue. Reims abriu as suas portas em 16 de julho e a coroação aconteceu na manhã seguinte. Apesar de Joana e o duque de Alençon pedirem uma marcha rápida sobre Paris, a corte real preferiu uma trégua negociada com o duque de Borgonha.



Joana d’Arc na cerimônia de coroação de Carlos VII, em Reims.


"É verdade que o rei fez uma trégua com o Duque de Borgonha, por quinze dias e que o duque vai deixar a cidade de Paris no final de quinze dias. No entanto, vocês não devem se admirar se eu tão logo não entrar nessa cidade. Não estou contente com estas tréguas e não sei se vou mantê-las, mas se eu as cumprir será apenas pela guarda da honra do rei: não importa o quanto eles abusem do sangue real, vou manter e conservar o exército real, caso eles não mantenham a paz ao fim desses quinze dias."Sua carta aos cidadãos de Reims, 5 de agosto de 1429; trans Quicherat I, p. 246. 

Nesse ínterim, o exército francês marchou por cidades perto de Paris e aceitou mais rendições pacíficas. Joana considerou que era o momento ideal para pressionar no sentido de executar a terceira tarefa estabelecida por suas vozes: a libertação do restante da França do domínio dos ingleses e dos burguinhões e pouco depois da coroação passou a insistir com Carlos VII para que a deixasse marchar sobre Paris. Aos 8 de setembro, seguiu-se o assalto francês a Paris e, apesar de ferida numa perna por um dardo de besta, Joana continuou a dirigir as tropas no combate até o dia terminar. Na manhã seguinte, ela recebeu uma ordem real para se retirar; agora que desfrutava de algum poder e prestígio, o verdadeiro caráter de Carlos se evidenciava. Ao invés de dirigir-se para o norte e prosseguir com a campanha para recuperar o restante de seu reino, partiu para o sul. Lá poderia relaxar e gozar uma vida de ócio na corte, seguro, em território sob seu controle. Qualquer simpatia que tivesse tido em relação ao entusiasmo militar de Joana havia se diluído.

"Príncipe da Borgonha, rezo por você - peço humildemente e suplico - que não faça mais guerra ao reino sagrado da França. Retire rapidamente o seu povo de certos lugares e fortalezas do reino sagrado, e em nome do gentil rei da França, eu digo que ele está pronto para fazer as pazes com você, por sua honra". Sua carta de Filipe, o Bom, duque de Borgonha, 17 de julho de 1429; Quicherat V, pp. 126-12.


CAPTURA


O desejo do rei em enfraquecer Joana tornou-se cada vez mais evidente. Aos poucos, ele dispensou os melhores e mais fiéis grupos de cavaleiros que a acompanhavam desde o cerco de Orléans. Para dissimular sua hostilidade, deu a Joana o sobrenome "de Lys", que era concedido apenas aos nobres. Mas isso pouco serviu para melhorar o humor da donzela e ela nunca usou esse sobrenome. Somente a oportunidade de honrar suas vozes e cumprir sua missão poderia trazer-lhe a felicidade verdadeira.


Joana recebe o sobrenome e a nobreza da flor de Lis




Brasão de armas de Joana D’Arc
desenhado pelo próprio rei Carlos VII.



Um dos escudos usados por Joana d'Arc


Na primavera de 1430, a impaciência da jovem aguçou-se. Em março passado, enquanto ainda estava em Poitiers, suas vozes lhe disseram: "Somente um ano, não mais!" E desde então, já se passara quase um ano e seu tempo se esgotava. No final de março, sem dizer nada a Carlos, reuniu todos os lanceiros-livres, os mercenários da época, pagou-os com o dinheiro que recebera na campanha de Orleans e partiu para o norte onde parou em Merlun, a fim de comemorar a Semana Santa. Lá, ela recebeu nova mensagem de suas vozes: "Você será capturada antes do dia de São João". Isso apavorou Joana. Mas as vozes reafirmaram-lhe que Deus a ajudaria a suportar o que quer que acontecesse. Seu primeiro destino foi Compiègne, cidade considerada a porta de entrada para o norte. O duque de Borgonha vinha tentando ocupá-la e o fraco Carlos VII simplesmente aconselhara aos seus cidadãos que se rendessem. Mas o povo queria resistir e pediu a Joana que o ajudasse. Os inimigos pressentiram o perigo e pediram reforços. Quando os franceses chegaram, os borgonheses estavam mais que preparados. Mesmo que Joana se esforçasse para agrupar seus soldados, uma onda de pânico assolava. Os franceses recuam e, ao se aproximarem de Compiègne, atropelam-se pela ponte elevadiça em direção à segurança do interior da cidade. Guillaume de Flavy, capitão da guarnição de Compiègne sabia que Joana encontrava-se ainda do lado de fora e, mesmo assim ordenou que a ponte levadiça fosse levantada e que a grade levadiça fosse arriada. Quando Joana alcançou a ponte, esta já havia sido erguida. Em 23 de maio de 1430 os burguinhões cercaram a sua retaguarda, ela foi desmontada por um arqueiro e inicialmente se recusou a se entregar, mas foi capturada.

Era costume, as famílias resgatarem um prisioneiro de guerra do cativeiro mas, Joana e sua família não dispunham de recursos financeiros e muitos historiadores condenam o rei Carlos VII por não intervir. Ela tentou escapar várias vezes, em uma ocasião saltou de uma torre de 21 metros de altura para a terra macia de um fosso seco, em Vermandois, depois do quê, foi transferida para a cidade de Arras, na Borgonha. O governo inglês comprou-a de Filipe, duque de Borgonha. O bispo Pierre Cauchon de Beauvais, partidário dos ingleses, teve um importante papel nessas negociações e em seu posterior julgamento.


A torre em Rouen, onde ela foi presa durante o julgamento, 
tornou-se conhecida como a torre de Joana d’Arc.


PROCESSO E JULGAMENTO


O processo que a levou à condenação por heresia foi politicamente motivado. O duque de Bedford reclamava o trono da França para seu sobrinho Henrique VI. Ela tinha sido responsável pela coroação do seu rival e a sua condenação foi uma forma de minar a legitimidade de seu rei. Os procedimentos se iniciaram em 9 de janeiro de 1431 em Rouen, na sede do governo de ocupação inglês e o processo foi irregular em vários pontos.


Joana é interrogada em sua cela na prisão pelo Cardeal de Winchester. 
Por Paul Delaroche, 1824, Museu de Belas-Artes, Rouen, França.

ALGUNS DOS PONTOS PRINCIPAIS


Resumindo alguns dos pontos principais, a competência do juiz, Bispo Cauchon, foi uma ficção jurídica. Deveu-se sua nomeação ao seu apoio partidário ao governo inglês, que financiou todo o julgamento. O notário Nicolas Bailly, encarregado de recolher testemunhos contra Joana, não conseguiu encontrar qualquer evidência adversa e não havia motivos para iniciar um julgamento. O tribunal violou a lei eclesiástica abrindo um julgamento sem provas e ao negar seu direito a um advogado. Após a abertura da primeira audiência pública Joana reclamou que os presentes eram todos partidários contra ela e pediu para que fossem convidados a comparecerem "eclesiásticos do lado francês". Os registros do processo demonstram sua notável inteligência. Questionada sobre se ela sabia que estava na graça de Deus, sua resposta foi: “Se eu não estou, que Deus ali me coloque, e se eu estou, que Deus possa assim me manter.” A questão era uma armadilha, a doutrina da Igreja decidia que ninguém poderia ter certeza de estar na graça de Deus. Se ela tivesse respondido sim, teria se condenado por heresia. Se ela respondesse não, teria confessado sua própria culpa. O notário Boisguillaume testemunharia mais tarde que, quando o tribunal ouviu esta resposta: "Aqueles que a estavam interrogando ficaram estupefatos." Conforme as orientações inquisitoriais, Joana deveria ter sido confinada em uma prisão eclesiástica, sob a supervisão de guardas do sexo feminino (ou seja, freiras). Ao invés disso, os ingleses a mantiveram em uma prisão secular guardada por seus próprios soldados. O Bispo Cauchon negou o apelo de Joana ao Conselho de Basiléia e ao papa, que teria parado seu processo. A ré, analfabeta, assinou um documento de abjuração, sem entender a ameaça de execução.


EXECUÇÃO NA FOGUEIRA


Em 30 de maio de 1431, amarrada a um pilar no Vieux-Marché em Rouen, ela pediu que Pe. Martin Ladvenu e Pe. Isambart de la Pierre segurassem um crucifixo diante dela. À frente do vestido ela colocou uma pequena cruz construída por um camponês. Depois de consumada a queima, os ingleses rastelaram as brasas para expor seu corpo carbonizado, de modo que ninguém pudesse reclamar que ela tivesse escapado viva, em seguida, o corpo foi queimado duas vezes mais para se reduzir a cinzas e impedir qualquer coleta de relíquias. Seus restos mortais foram lançados no rio Sena.  O carrasco,  Geoffroy Therage,  mais  tarde declarou que  "... tinha muito medo de estar condenado."




A caminho do suplício.


Execução na fogueira.



Local da execução de Joana d’Arc.
Place du Vieux-Marché em Rouen

*****

CONDENAÇÃO E REABILITAÇÃO DE JOANA D’ARC




Joana d'Arc nasceu em Domrémy-la-Pucelle, pequena aldeia ao noroeste do ducado da Lorena. Era uma camponesa inculta e apenas pouco mais que uma criança, quando chegou à fama. Há quem atribua sua fé e determinação a certa ingenuidade e pouca experiência de vida e, se por um lado permitiram-lhe a realização de uma grande façanha, por outro, abreviaram tragicamente sua existência, imortalizando-a como mártir e heroína da libertação de seu país.


Aldeia e Igreja de Domrémy-la-Pucelle.


Casa de Joana d'Arc em Domrémy

Nas últimas décadas da Guerra dos Cem Anos, a luta pela posse da coroa da França levava os francos, tais como o escudeiro Jean de Metz, a perguntar: "Deve o rei ser expulso do reino e passarmos a ser ingleses?" Joana renovou o ânimo de uma população inerte e entregue ao próprio sofrimento e transformou o que era uma exclusiva disputa dinástica em uma guerra popular passional de libertação nacional.



Joana no cerco de Orleans.
A pintura de Jules Eugène Lenepveu (1886-1890), no Panthéon de Paris, é uma representação altamente romântica. Joana não usava uma armadura de placas metálicas, conforme testemunhou no processo. Seu cabelo era cortado curto e redondo e aboliu totalmente o uso das roupas de mulher. Usava camisa, calções, gibão com mangas, fechado e amarrado por 20 pontos, longas perneiras atadas na parte externa, um manto curto alcançando quase até os joelhos, um chapéu de corte raso, botas e coturnos de amarrar, longas esporas, espada, punhal, escudo, lança e outras armas, ao estilo dos homens-de-armas, com as quais ela participou dos atos de guerra, afirmando sempre que estava cumprindo as ordens de Deus, tal como a ela tinham sido reveladas.
Chegando a Orleans Joana foi conduzida à residência de Jacques Boucher, tesoureiro duque de Orleans, cativo dos ingleses. Ela estava exausta, despojou-se das armas e foi alojada no quarto de Charlotte, uma das filhas de Boucher de 9 anos de idade. Mais tarde ela presenteou a menina com um dos seus chapéus que permaneceu com a família Boucher por, aproximadamente, 350 anos antes de ser destruído no século XVIII pela Revolução Francesa.


O Chapeu de Joana d’Arc

O estilo foi preservado até 1792, pelos Oratorianos de Orleans. Era de feltro cinza com abas largas, reforçadas por dobras na frente e atrás e mantidas presas por um lírio de cobre. No topo havia um lírio de cobre dourado do qual desciam filigranas em espiral de cobre dourado em cujas extremidades pendiam flores de lis sobre as bordas do chapéu. O tampo era em tela de linho azul.
“Perguntada se, quando foi para Orleans, ela tinha um estandarte ou bandeira e de que cor era, ela respondeu que tinha uma bandeira, com campo semeado de lírios, com uma representação do mundo e dois anjos, um de cada lado; era branca, de linho branco, ornada de seda e acreditava que nela estavam escritos os nomes, Jhesus e Maria.”


A bandeira de Joana d’Arc, conforme ela descreveu no tribunal

Pierre Cauchon, bispo de Beauvais, astuto negociador partidário dos ingleses foi encarregado do caso contra Joana. Ela fora presa em Compiègne, que ficava em sua diocese e Cauchon conseguiu um acordo em que os ingleses pagariam uma grande quantia pelo resgate da jovem, mas a entregariam às autoridades da Igreja para ser julgada. Deveriam provar que ela era uma feiticeira, mancomunada com o diabo e com espíritos maléficos, mas se acontecesse a longínqua possibilidade de Joana não ser considerada culpada, ela seria devolvida aos ingleses. Depois desta façanha, Cauchon tornou-se o principal juiz presidente do julgamento.

Joana é capturada pelos burguinhões em Compiègne.

O Julgamento iniciou-se em 21 de fevereiro de 1431. Dos quarenta assessores, muitos eram simpatizantes da causa inglesa e queriam vingança. A acusada teria que enfrentar sozinha o tribunal e, apesar disso, firme na dedicação aos seus santos, Joana entrou irradiando tranqüilidade. Já no primeiro procedimento, o de juramento de sinceridade, ela expressou suas dúvidas sobre a amplitude dos assuntos a quem devia lealdade em primeiro lugar: "A respeito de muitos assuntos, jurarei voluntariamente mas, as revelações que me foram feitas por Deus e que nunca contei a ninguém, a não ser para Carlos, meu rei, não as revelarei, embora isso possa me custar a vida. Minhas vozes e meu conselho secreto têm me dito para não revelá-las a ninguém."


Joana e a visão do Arcanjo Miguel

Ela devia fazer o juramento, caso contrário, seu depoimento não teria valor algum, mas Cauchon teve que concordar que ela deveria responder a perguntas sobre seus atos e sua fé, mas poderia não fazer o mesmo com relação às suas visões. Jean Beaupère, ex-reitor da Universidade de Paris, fora designado para ajudá-lo na reinquirição e salientou que seria melhor se ela comprometesse a si mesma. Eles queriam um caso de heresia e feitiçaria para que a Inquisição a declarasse culpada e a entregasse ao setor secular para a sentença de morte na fogueira.
A próxima sessão seguiu numa câmara menor, como Beaupère solicitou. Estava presente também o inquisitor de Paris, Jean Le Maître. Joana estava tranqüila, pois suas vozes tinham dito que tivesse ânimo, Deus a estava protegendo, e acima de tudo ela deveria ser valente. Devia falar o que lhe passasse pela cabeça, recusar-se a responder se lhe perguntassem alguma coisa que achasse sagrada demais para ser mencionada e sobre outros assuntos, dizer a verdade.
O julgamento prosseguia e Beaupère quis saber de que modo ela localizara o Delfim quando fora levada à presença dele. O Delfim tentara impingir outra pessoa a ela, mas ela o identificara de imediato e disse que fora guiada até ele. "Por qual sinal?" "Sobre isso não vou falar." Os assessores trocaram sussurros. Que tipo de julgamento era aquele, no qual a prisioneira estava sempre se recusando a responder certas perguntas?"Então essas vozes falaram com você, uma humilde camponesa. Você deveria fazer essa coisa estranha... deixar suas vacas e suas ovelhas e levar o Delfim até à vitória." "Foi isso que me disseram pra fazer" "E qual seria sua recompensa por tudo isso?" "A salvação de minha alma."


Beaupère começava a ficar exasperado. A jovem estava causando uma impressão muito boa. Claro que iriam considerá-la culpada, mas isso devia ser feito de maneira a não deixar dúvidas. Não queriam que ela se tornasse mártir depois da morte. Os espectadores se espantavam com o modo que Joana lidava com a situação e, apesar de muito cansada, ela não desistiu e não se deixou intimidar. Dessa vez, Cauchon assumiu o interrogatório.
"Você sabe se está na graça de Deus?" perguntou ele com ironia. "Se não estou, peço a Deus levar-me a ela; se estou, que Deus nela me conserve." Se ela dissesse que estava, seria acusada de reivindicar um saber exclusivo de Deus. Se dissesse que não, abriria brecha para ser acusada de agente do demônio. Mas com essa resposta, evitou os dois perigos.
O processo continuou por seis semanas e os assessores tentaram de inúmeras formas, mas era impossível provar conclusivamente, como pretendiam, que Joana era feiticeira, bruxa ou criminosa. Enfim, os juízes encontram como uma evidência para acusá-la, o fato de Joana recusar submeter-se à autoridade deles, isto poderia ser comprovadamente um motivo para ser condenada como herege. De acordo com a teologia da época, os ministros da Igreja recebiam o poder e a inspiração diretamente de Deus e, para amar e obedecer a Deus era preciso amar e obedecer a Igreja e seus ministros.



Joana diante de seus juízes por Andrew Lang.

O fato de Joana usar roupas masculinas era encarado como um crime contra Deus. Eles o exploraram minuciosamente, ordenando que ela pusesse roupas de mulher. Ela se recusou: "Essas roupas não afligem minha alma. Quanto às roupas femininas, não as porei enquanto isso não agradar a Deus." A insubordinação de Joana atingiu um ponto culminante quanto se recusou aceitar do tribunal que suas vozes eram malignas e emanavam do demônio. Seus juízes argumentavam que pessoas não instruídas submetiam-se a qualquer visão ou voz e que, somente um ministro da Igreja inspirado por Deus seria capaz de determinar a origem de tais vozes. As doutrinas sustentavam que as vozes vindas de Deus eram raras. Para provar que ela era uma verdadeira católica, deveria renunciar às suas vozes. A idéia era ridícula! Joana sustentou que a análise teológica em Poitiers, ordenada pelo Delfim a fim de verificar sua idoneidade moral em abril de 1429, “declarou-a de vida irrepreensível e boa cristã, possuidora das virtudes da humildade, honestidade e simplicidade” e que havia uma “presunção favorável sobre a natureza divina de sua missão”.
No início de abril, os juízes e assessores alinharam uma dúzia de acusações formais e trechos dos depoimentos de Joana que acreditavam apoiá-los. Distorceram muito do que ela realmente havia dito, mas havia uma acusação suficientemente séria para compensar todas as outras: "Ela não se submete à determinação da Igreja militante, mas apenas a Deus". O tribunal da Inquisição ainda prosseguia com uma série de procedimentos destinados a ajudar o acusado a ver e admitir seus erros. Mais do que fazer justiça, o tribunal se destinava a salvar almas e assim, o mês que se seguiu à acusação, o mês em que Cauchon e seus colaboradores tentaram "salvar a alma" de Joana, induzindo-a ao arrependimento, foi o mais horrível que a Donzela teve que suportar.



Torre prisão de Joana d’Arc em Rouen

Na primeira semana de maio, os religiosos, impacientes, levaram Joana à câmara de tortura do castelo e lá, interrogaram-na novamente, mas ela sustentava de que suas vozes eram de Deus: "Se quiser, terá de me arrancar membro a membro, e não poderei fazer outra coisa senão, me submeter. E se no auge da tortura que a sua crueldade me impuser eu admitir o que o senhor quiser que eu diga, depois direi ao mundo que foram mentiras arrancadas de mim pelos seus instrumentos de tortura."O plano da tortura afinal, foi abandonado.
De volta à sua cela, exausta, mental e fisicamente, havia dias que não comia nada a não ser um pouco de pão embebido em vinho, vieram no dia seguinte para levá-la ao tribunal e viram quanto ela estava mal. Ela não podia morrer, tinham que condená-la e mostrar que ela fora um instrumento do diabo. Os médicos concluíram que Joana precisava de descanso e, poucos dias depois, ela pareceu um pouco melhor.
Ciente do temor de Joana da morte pelo fogo, Cauchon manobrou para que ela presenciasse uma cena que lhe produzisse grande medo. Beaupère e o assessor Pierre Maurice a levaram à Saint-Ouen diante de num palanque de madeira onde estavam Cauchon e os assessores. William Erard, cônego de Rouen, que mais tarde admitiu não ter expressado seus sentimentos, começou a fazer um longo e severo sermão:
"Os franceses nunca foram uma nação realmente cristã. Carlos, que alegava reinar sobre aquela nação, devia ser um herege para ter confiado naquela mulher que agora estava diante de..."
"O senhor ofende nosso rei, que é o mais nobre dos cristãos. Ninguém gosta mais da Igreja do que ele.", interrompeu Joana.
O orador passou a relacionar os crimes que a donzela cometera.
"Faça sua submissão", trovejou ele. "Arrependa-se enquanto há tempo."Joana estava decidida a defender o rei. "Se tiver um erro, ele é só meu." "Ela está enfraquecendo”, considerou Pierre Maurice. “Ela disse: "Se tiver algum erro". Não teria dito isso uma semana atrás. Pobre menina. Pobre, corajosa menina!” "Você negará todas as palavras e atos que foram reprovados pelos juízes?" "Eu aceitarei as de Deus e do nosso santo pai, o papa." Depois disso, o cônego lê a sentença formal que condenava Joana a ser entregue às autoridades civis e queimada. Muitos assessores suplicavam que ela se submetesse e salvasse sua vida enquanto ainda era tempo, quando no meio do clamor, uma palavra atingiu Joana: "Fogo!". Ela pede para o cônego parar de ler. Renunciaria às suas vozes, vestiria roupas de mulher e faria tudo que a Igreja quisesse. Os juízes tinham uma declaração de retratação já pronta para ela assinar. Seus termos incluíam o consentimento em vestir roupas de mulher e submeter-se à prisão perpétua como pena por seus pecados.


Joana d'Arc ditava suas cartas. Três das sobreviventes levam a assinatura "Jehanne", 
com a caligrafia insegura de alguém aprendendo a escrever.
De volta para a cela fria e úmida, as pesadas correntes continuavam a prender seus tornozelos e somente o longo vestido que lhe deram para usar se mostrava diferente no local. Ela buscou auxílio em suas vozes e longe de ser confortantes, eram como uma consciência que não podia ser calada: "Você não agiu bem nesta última quinta-feira... O seu horror da execução é compreensível, mas você deixou que o medo empanasse seu julgamento. Você não serviu a Deus nem à verdade com o que disse. Falou apenas para salvar a sua vida e, com isso, condenou-se!"



Joana abjura e volta para a prisão com roupas femininas

Joana soube o que tinha que fazer. Mais uma vez teria de dizer a verdade e retirar sua retratação. Ela sabia também o que isso significava, arrepender-se da heresia e depois voltar atrás, era considerar-se uma herege da pior espécie. Somente a pena capital poderia ser dada nesse caso, e isso significava morte na fogueira. A antiga força de Joana retornara, e nem mesmo a vida tinha tanta importância quanto a necessidade de ser verdadeira consigo mesma, com suas vozes e com Deus. Recuperou as roupas masculinas e, apesar da proibição de usá-las não se importou, significava que sua fé renascia fortalecida. Ao amanhecer, Cauchon desceu à sua cela. "Por que vestiu essa roupa masculina e quem a fez vesti-la?", questionou. "Foi por minha própria vontade.", ela faz uma pausa, "Tudo que fiz nesses últimos dias foi por medo do fogo e minha retratação foi contra a verdade. Nunca fiz nada contra Deus e contra a fé, seja lá o que tenha feito, para negá-lo." Com isso, ela colocou em movimento uma cadeia fatal de onde não havia volta. Na manhã seguinte, quando soube da sentença ela lamentou: "Ah, preferia ser decapitada sete vezes que ser queimada!" Depois de confessar-se e comungar, conseguiu alguma paz. Isso a sustentaria durante os duros rituais das horas seguintes: a entrega de um vestido velho embebido em enxofre, para que incendiasse mais rapidamente, o solitário percurso até a praça da cidade na carreta do carrasco, a primeira visão do cadafalso com a madeira empilhada em sua base, a multidão de ingleses hostis, os religiosos solenemente sentados em plataformas e até durante o longo sermão dirigido a ela, permaneceu serena e calma.

TRECHO ORIGINAL DO PROCESSO DE CONDENAÇÃO
No livro Santa Joana D'Arc (Ed. N.Fronteira, 1964, p. 263/294), a autora Victoria Sackiville-West, relatou trechos autênticos do processo de Joana D'Arc, queimada viva como herege em Rouen, em 30 de maio de 1431, lido pelo Bispo Cauchon.
"Que a mulher comumente chamada de Jeanne la Pucelle... será denunciada e declarada feiticeira, adivinha, pseudoprofeta, invocadora de maus espíritos, conspiradora, supersticiosa, implicada na prática de magia e afeita a ela, teimosa quanto à fé católica, cismática quanto ao artigo Unam Sanctam, etc, e, em diversos outros artigos de nossa fé, cética e extraviada, sacrílega, idólatra, apóstata, execrável e maligna, blasfema em relação a Deus e Seus santos, escandalosa, sediciosa, perturbadora da paz, incitadora da guerra, cruelmente ávida de sangue humano, incitando o derramamento do sangue dos homens, tendo completa e vergonhosamente abandonado as decências próprias de seu sexo, e tendo imodestamente adotado o traje e o status de um soldado; por isso e por outras coisas abomináveis a Deus e aos homens, traidora das leis divinas e naturais e da disciplina da Igreja, sedutora de príncipes e do povo, tendo, em desprezo e desdém a Deus, consentido em ser venerada e adorada, dando as mãos e a roupa para serem beijadas, herege ou, de qualquer modo, veementemente suspeita de heresia, por isso ela será punida e corrigida de acordo com as leis divinas e canônicas..."


O bispo Pierre Cauchon
Aquilo era uma ironia, algumas pessoas na multidão se espantavam com a hipocrisia de uma Igreja que podia levar um de seus membros até aquela praça com o único propósito de entregá-lo às chamas e ao mesmo tempo livrar-se de toda a responsabilidade.
Com a leitura da sentença, o trabalho e o solene desenrolar dos procedimentos imediatamente retomados, as emoções explodiram. "Então vou morrer?" "Nenhuma cruz para segurar, nenhum consolo para ajudar em minha passagem?" "Não vão me dar uma cruz?" bradou, angustiada. Um dos religiosos atendeu o seu último pedido e amarrou um crucifixo numa vara, segurando-o perto de seu rosto, para que pudesse olhá-lo durante seus últimos momentos. Com sua morte, os sentimentos de lealdade ao rei e ao país, despertados por ela, se aprofundaram na população francesa. Dali em diante, a orgulhosa segurança por tantos triunfos começou a ser corroída e 25 anos após a execução de Joana d’Arc em Rouen, os ingleses tinham sido quase totalmente expulsos da França.



O suplício - Pe Isambard de la Pierre segura a cruz diante de Joana.

Um dos soldados ingleses, que detestava Joana e que tinha jurado levar uma tocha para a sua fogueira com as próprias mãos, foi acometido por um estupor, por uma espécie de êxtase ao ouvi-la gritando o nome de Jesus em seus últimos momentos. Ele precisou ser levado para uma taberna perto do Vieux Marché onde lhe deram uma bebida forte para que recuperasse os sentidos. E depois confessou a um frade da Ordem Dominicana, que também era inglês, ter cometido um pecado grave e que se arrependia do que tinha feito contra Joana, a quem ele agora considerava uma santa. Para ele, no momento em que se desprendeu o seu espírito, pareceu que uma pomba branca tinha voado em direção à França.

REJULGAMENTO E REABILITAÇÃO DE JOANA D’ARC
Joana d’Arc foi postumamente levada a novo julgamento após o término da guerra. Logo que a cidade de Rouen foi retomada aos ingleses e que os registros do julgamento de Joana ficaram disponíveis, começou-se a trabalhar para conseguir a sua anulação e limpar o seu nome. A pedido do Inquisidor-Geral Jean Brehal e da mãe de Joana, Isabelle Romée, o Papa Calixto III autorizou a reabertura do processo, O objetivo era investigar se o julgamento de condenação e sua sentença tinham sido tratados de forma justa e de acordo com a lei canônica. O padre Guillaume Bouille assumiu as investigações e Brehal realizou um inquérito em 1452. A apelação formal teve início em novembro de 1455, incluiu clérigos de toda a Europa que estudaram o processo judicial padrão e um grupo de teólogos analisou o depoimento de 115 testemunhas. Brehal elaborou a síntese final em Junho de 1456, que descreve Joana como uma mártir e implica o falecido bispo Pierre Cauchon em heresia, por ter condenado uma mulher inocente em busca de uma vingança secular. O tribunal declarou-a inocente em 7 de julho de 1456, e o papa Calixto III declarou Joana livre das acusações que lhe haviam sido imputadas.


Tumba do bispo Pierre Cauchon
Desenho de H.Wallon, 1892

Joana of Arc usava roupas masculinas, desde a sua partida de Vaucouleurs até sua abjuração em Rouen. Isto levantou questões teológicas em sua época e outras questões foram levantadas no século XX. A razão técnica para sua execução foi uma lei de vestuário bíblica e o julgamento de anulação inverteu a condenação em parte porque o processo de condenação não teve em conta as exceções a essa crítica doutrinária.
Disfarçada como um pajem, ao viajar através do território inimigo e usando apetrechos masculinos de proteção durante a batalha, ela estava mais segura. A Chronique de la Pucelle atesta que isso, inclusive, dissuadiu o abuso sexual enquanto ela estava nos acampamentos de guerra e que continuou a usar roupas masculinas na prisão, pelo mesmo motivo. A preservação da castidade foi justificada pelo uso do crucifixo sobre seu vestuário, o que teria afastado um assaltante e tornado menos provável que os homens a olhassem como objeto sexual. Quando questionada sobre seu vestuário masculino ela se referiu ao inquérito em Poitiers, onde os clérigos aprovaram a sua prática. Ela tinha como missão realizar o trabalho de um homem e assim era justo que ela se vestisse desta forma e também mantivesse seus cabelos curtos, durante as campanhas militares e na prisão. Seus defensores, o teólogo Jean Gerson assim como o Inquisidor Brehal, defenderam o seu corte de cabelo durante o julgamento de Reabilitação.
Há muito interesse nas visões religiosas de Joana d’Arc e o consenso entre os estudiosos é que sua fé era sincera. Alguns historiadores contornam as especulações afirmando que sua crença em seu chamado é mais relevante do que a origem última das suas visões. Documentos de sua época e historiadores anteriores ao século XX, assumem que ela era saudável e sã. Ela permaneceu inteligente e lúcida até o fim de sua vida, sempre respondeu de forma prudente e evidenciou uma memória prodigiosa. Diante de sua astúcia e da sutileza de suas respostas o tribunal foi obrigado a parar de realizar sessões públicas.


O esforço e a atuação de Joana d’Arc foram decisivos para a libertação e unificação do Estado da França. Como conseqüência, deu-se a extinção do regime feudal e o início do absolutismo, e encerrando-se a Idade Média ao final da Guerra dos Cem Anos tem início a Idade Moderna. Em 1920, Joana Darc foi canonizada pela Igreja Católica Apostólica Romana, devido, basicamente, à crescente devoção que os fiéis católicos lhe devotavam. Nenhuma outra personagem da Idade Média, homem ou mulher tem sido alvo de tantos estudos e referências como Joana d’Arc.

LA CROIX PUCELLE



É a mais antiga cruz da floresta de Saint-Germain, datada de 1456, ano da reabilitação de Joana d’Arc. Foi erguida por Jean Dunois, o Bastardo de Orleans, companheiro de Joana e então governador de St. Germain, atendendo a uma disposição da sentença de absolvição que ordenou: "Cruzes devem ser erguidas em memória de la Pucelle". A Croix Pucelle, retirada em 1793 e recolocada em 1850, participou em 13 de maio de 1956 de uma cerimônia religiosa para comemorar o 500 º aniversário da reabilitação de Jehanne, la Pucelle.


NOTAS BIOGRÁFICAS DE JOANA D'ARC





Joana d’Arc, também conhecida como a Donzela de Orleans, entrou para a História como heroina e mártir no final da Guerra dos Cem Anos. Canonizada Santa pela mesma Igreja que a condenou à fogueira, sua breve existência encontra-se fartamente descrita e documentada por inúmeros autores e fontes. Por sua importância histórica, política e religiosa, incluímos em nossa galeria esta ilustre personagem da região da Lorena, predestinada para a missão de libertação, unificação e a consolidação da França como um grande país. 

DEFESA DAS APARIÇÕES DE JACAREI

DEFESA ÀS APARIÇÕES DE JACAREÍ


(FEITA POR UM PEREGRINO, AO CONTEMPLAR UM VÍDEO FALANDO MAL DAS MESMAS CITADAS ACIMA, E SOBRE A CARTINHA DO BISPO DA ÉPOCA, ALEGANDO QUE AS APARIÇÕES NÃO ERAM VERDADEIRAS)


NÃO SEI QUEM FEZ MAS PRA MIM ESSA PESSOA MERECIA UMA MEDALHA DE HONRA DE NOSSA SENHORA POR ESTA BELA DEFESA

"Quando você diz que devemos dar ouvidos ao que os padres dizem a respeito das aparições de Jacareí, corre em um ledo engano, pois, a “opinião pessoal” deles é que não pode ser elevado ao nível de “dogma de fé”. As cartas de Dom Nelson são muito citadas pelos que latem que estas Sagradas Aparições são falsas. Portanto, mister se faz alguns esclarecimentos. Há duas cartas oficiais onde este indigitado bispo trata da matéria “aparições”. Uma primeira, publicada em 1996, enquanto o mesmo ainda era bispo de São José dos Campos (diocese a qual pertence Jacareí). Nesta, não há menção alguma ao nome do Profeta Marcos Tadeu Teixeira, muito menos, excomunhão, há somente algumas orientações pastorais. A segunda, publicada em 2007 e republicada em 2011, realmente traz explicitamente o nome do Profeta Marcos Tadeu Teixeira, porém, nesta, a palavra “excomunhão” é sequer mencionada.

Ainda há um probleminha com esta segunda carta. O dito bispo (certamente pela providência de Nossa Senhora) foi transferido para a diocese de Santo André/SP em 2003, e, observem, a segunda carta publicada por ele ocorreu no ano de 2007, quando já havia deixado de ter jurisdição eclesiástica sobre a cidade de Jacareí. Portanto, o mesmo, ao editar esta carta, violou a jurisdição eclesiástica conferida a ele pela Igreja, e, ainda, violentou gravemente a autoridade de Dom Moacir, então, bispo da Diocese de São José dos Campos, que, se quisesse, poderia ter criado o maior caso com isso, pois Dom Nelson desrespeitou frontalmente e atropelou sua autoridade eclesiástica, uma verdadeira afronta. Então eu lhes pergunto, vocês ainda vão dar credibilidade a um documento irregular e eivado de vícios como esse?

Vale lembrar, que não é obrigatório seguir estas cartas circulares dos bispos. Não há heresia nem cisma nisso. Um católico somente pode ser acusado de cismático ou herege se atentar contra os Dogmas de Fé. Que eu saiba, carta circular de bispo não é Dogma de Fé. Como a primeira carta de Dom Nelson não condena as Aparições de Jacareí, e a segunda está irregular, pode-se dizer que não pesa condenação oficial e regular da Igreja sobre estas Santas Aparições. Além do mais, até o presente momento, Dom José Valmor, que atualmente tem jurisdição eclesiástica sobre Jacareí, não fez pronunciamento oficial sobre as mesmas. Documento oficial onde o Profeta Marcos foi excomungado, também é inexistente, portanto, qualquer informação que diga o contrário é fruto de pura “fofoca”.

Ressalto que em Jacareí, realmente, não damos tanta importância aos documentos do Vaticano. O que nós realmente valorizamos é a doutrina que nos foi transmitida pelos santos, como Santo Afonso, São Luiz, Santa Teresa, São João da Cruz, etc... Outro adendo que gostaria de acrescentar, diz respeito ao fato da obrigatoriedade ou não das Sagradas Mensagens Celestiais. A orientação predominante entre os teólogos católicos, de que não é obrigatório seguir as Aparições de Nossa Senhora, se funda em meras opiniões pessoais de alguns clérigos a respeito do assunto. Esta orientação não tem o caráter da infalibilidade papal e muito menos é um Dogma de Fé. Realmente, o catecismo atual traz algo nesse sentido, mas vale lembrar que o mesmo não recebeu o caráter da infalibilidade pelo Concílio Vaticano II. Bem ao contrário do Santo Catecismo do Concílio de Trento. Este sim, recebeu o caráter de infalível. Ocorre que nossa amada Igreja há muito se transviou de uma tradição bíblica milenar, através da qual o “Deus dos Exércitos” sempre manifestou sua vontade ao povo de Israel por meio de suas aparições aos profetas (mesmo fenômeno que ocorre com o, também, profeta Marcos Tadeu, pois os fenômenos miraculosos e de aparições que ocorrem naquele Santuário, são da mesma espécie dos verificados na Sagrada Bíblia).

Ora, nos tempos bíblicos não era através dos fariseus, saduceus, príncipes e doutores da lei (a Igreja oficial da época) que Deus dava as suas diretrizes ao povo eleito, mas sim, através dos profetas, em outras palavras, dos videntes. Nos primórdios do cristianismo, também ocorria assim, pois, a própria origem da nossa amada Igreja se funda nas “aparições” de Jesus aos apóstolos e discípulos. Então, por que esta tradição bíblica foi quebra? Será que é porque as aparições aos profetas cessaram? Errado, pois nos últimos 100 anos ocorreram mais de 1000 aparições de Nossa Senhora, dos santos e anjos, e até de Deus.
A pergunta correta é, por que o clero tenta abafar isso, pois grande parte, senão todas, destas aparições também foram acompanhadas de sinais miraculosos, como, curas inexplicáveis pela ciência, sinais na natureza, etc... Se Deus usava deste expediente nos tempos bíblicos, certamente deveria continuar a usá-lo nos tempos do catolicismo, pois uma grande verdade que a Teologia professa é que Deus é imutável. Não citarei as passagens bíblicas onde Deus manifesta sua vontade através dos videntes/profetas, pois se assim fizesse, teria que citar a Bíblia inteira, pois a própria formação e ensinamentos nela transmitidos se dão por este meio. Gostaria apenas de citar um pequeno exemplo de qual atitude deveremos tomar frente às Aparições de Jacareí, tomando por base a Bíblia. Saulo, quando se dirigia à cidade de Damasco e Jesus lhe “aparece” exclama: “Senhor, que queres que eu faça?” (At 9, 6). Naquela ocasião, Jesus disse a ele para procurar os fariseus e saduceus (a Igreja oficial da época)? Não! O ordenou que entrasse na cidade de Damasco e ali lhe seria dito o que deveria fazer. Beleza. E quem Deus enviou para Saulo? Os fariseus e saduceus (a Igreja oficial da época)? Não! Mas Ananias, um vidente. Como eu sei que Ananias era um vidente? As Sagradas Escrituras nos contam que foi uma aparição de Jesus que disse para ele ir procurar Saulo. É só conferir At 9, 10-16ss.

Outro exemplo foi Judas Iscariotes; este preferiu errar com a Igreja oficial da época (lembra né, fariseus e saduceus) que acertar sem ela. Bom... Errou mesmo! E segundo alguns santos místicos, como Maria de Ágreda, sua alma se encontra no inferno. Assim, a posição teológica defendida pela maioria dos teólogos atuais, de que as aparições não são obrigatórias, falando em termos de estudo teológico da atualidade, é perfeitamente passível de questionamento, e, inclusive, daria uma boa tese de doutoramento. É um posicionamento que pode ser mudado. Não é Dogma de Fé. Gostaria de finalizar este ponto dizendo o seguinte. Jesus tolerou para sempre aquela Igreja oficial da época (o judaísmo) que rejeitou o projeto que suas aparições aos Apóstolos (que também eram videntes) propunha? Claro que não!!! Por causa disso, Deus se retirou do meio daquela Igreja e passou a habitar no meio dos seus videntes, os apóstolos e discípulos, e, assim, surgiu a nossa amada Igreja Católica (Mt 21, 39-45).

Não é objetivo do Profeta Marcos Tadeu, nem de sua Ordem e muito menos de nós, a Milícia da Paz (formada por todos os fiéis seguidores daquele Santuário) provocar um cisma na Igreja. Nós apenas denunciamos os erros (prerrogativa esta, conferida aos leigos pelo próprio Concílio Vaticano II), lutamos para que a devoção a Nossa Senhora, aos santos e anjos seja colocada em seu devido lugar, e que as suas mensagens, e as dos demais santos, e até as de Deus, seja acolhida como nos tempos Bíblicos, pois acreditamos que se isto não for feito, irá se abater gigantescos cataclismos sobre a Terra, de uma tal magnitude que nunca houve, nem jamais haverá. Acreditamos que esta “palavra de Deus” transmitida nas aparições é o caminho e a única forma de salvar o mundo, e qualquer obra, ou pessoa, que ensine ou faça diferente do que elas dizem, é desprezada por nós. O motivo para isto é muito simples. Desde tempos remotos, as Aparições de Nossa Senhora (inclusive as não aprovadas pela Igreja) vêm dizendo o que aconteceria ao mundo se esta “palavra de Deus” não fosse obedecida. Resultado, tudo o que elas disseram, em um passado remoto, está se cumprindo na atualidade. Então, não há outra conclusão a se fazer, a não ser admitir que elas eram verdadeiras, e que o clero errou. Aliás, o histórico de erro do clero é algo realmente interessante. Basta citar a condenação que pesou durante 20 anos sobre as Santas Aparições de Jesus Misericordioso à Santa Faustina, e não foi por um “bispozinho” qualquer. Foi pelo próprio papa da época. Se não fosse a atuação do então Cardeal Karol Józef Wojtyła, futuro Papa João Paulo II, estas aparições estariam condenadas até os tempos atuais, e, certamente, você seria um grande opositor delas, não é? Infelizmente, como atualmente o número de Cardeais, e clérigos em geral, com este nível de espiritualidade é praticamente nulo... tadinha das aparições... snif. Praticamente nenhum deles entende de Teologia Mística, o estudo apropriado para se avaliar as aparições e estudá-las.

Além do mais, as aparições de La Salette, Lourdes e Fátima, para quem conhece mais a fundo sua história, verá que elas na verdade não foram aceitas pelo clero. Muito pelo contrário, este as combateu com todas as suas forças. Na realidade, o que ocorreu, é que os fiéis praticamente as fizeram descer goela abaixo na garganta do clero, de tal modo, que eles não tiveram outra opção a não ser aprová-las. E, mesmo nestas que foram aprovadas, o estrago que o clero fez é algo incomensurável. Não as divulgou como deveria; se o corpo incorrupto de Santa Bernadete estivesse no Santuário de Lourdes iria converter milhões de fiéis, no entanto está praticamente escondido no convento de Nevers; o corpo incorrupto de Santa Jacinta foi escondido dos fiéis; a esmagadora maioria dos vaticanistas da Itália é de acordo que, até hoje, o terceiro segredo de Fátima não foi revelado em sua integralidade; a consagração da Rússia não foi feita como Nossa Senhora pediu até os dias atuais, etc... E isso, só para citar os danos que me vem à mente neste momento.

No Santuário das Aparições de Jacareí, o Profeta Marcos está resgatando tudo aquilo que a Igreja e a sociedade tanto se esforçaram para extinguir, os escapulários, medalhas, mensagens, enfim, a salvação do mundo que Nossa Senhora nos revelou e ofereceu com tanto amor ao longo de suas aparições na história. Sem dúvida, lá está se cumprido a passagem da Escritura na qual se diz: “Por isso, todo escriba instruído nas coisas do Reino dos céus é comparado a um pai de família que tira de seu tesouro coisas novas e velhas...” Mt 13,52 É uma nova aparição que resgata todas, até as mais antigas. Portanto, se ainda quiserem seguir a doutrina da cabeça deste cara de que não precisamos de aparições, o problema é de vocês. Aliás, se formos pensar bem, porquê Deus, Nossa Senhora os anjos e os santos apareceriam, né? Afinal de contas, nosso mundo está uma verdadeira maravilha, não é? Não temos problemas de droga, prostituição, corrupção, degradação moral, depressão, decadência da Igreja, violência, roubos, assassinatos, guerras, miséria..., todos os sacerdotes são verdadeiros Serafins de santidade, enfim, o Vaticano está dando conta do recado... Só não está apresentando um desempenho melhor devido a um “pequeno” probleminha de tráfico de influência entre os altos clérigos, desvio de verbas do banco do Vaticano, looby gay entre os padres, pedofilia generalizada, um papa progressista e comunista..., mas, afinal de contas, são probleminhas fáceis de serem solucionados, né? É... Em um mundo maravilhoso e em ótimo funcionamento como esse, realmente não entendo o motivo de tantas aparições..."
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

A SANTA MEDALHA DA PAZ

A MEDALHA DO AMANTÍSSIMO CORAÇÃO DE SÃO JOSÉ

A MEDALHA DA ROSA MISTICA

MÍSTICA CIDADE DE DEUS - VOL. 01 - REVELAÇÕES A SOROR MARIA DE JESUS DE AGREDA

MÍSTICA CIDADE DE DEUS - VOL. 02 - VIDA DE NOSSA SENHORA À SOROR MARIA DE JESUS DE AGREDA

LIVROS MISTICA CIDADE DEUS

LIVROS MISTICA CIDADE DEUS
ENTRE EM CONTATO PELOS TELEFONES ACIMA

A VIDA DE SÃO JOSÉ VOL.02 - REVELADA A IRMA MARIA CECÍLIA BAIJI

Santa Hora da Paz nº 5 - para ser rezada todos os dias as 08:00hs da noite

Santa Hora do Espírito Santo nº19 - para ser rezada todas as segundas-feiras as 09:00hs da noite

Santa Hora dos Santos Anjos nº19 - para ser rezada todas as terças-feiras as 09:00hs da noite

Santa Hora dos Santos Nº 36 - para ser rezada todas as quartas-feiras as 09:00hs da noite

TERÇO DA EUCARISTIA MEDITADO Nº 03

- para ser rezado em especial as quintas-feiras as 07:00hs da noite

SANTA HORA DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS Nº04

para ser rezada todas as sextas-feiras as 09:00hs da noite

SANTA HORA DAS LÁGRIMAS DA MÃE DE DEUS PARA SER REZADA TODOS OS SÁBADOS AS 07:00HS DA NOITE

Santa Hora de São José 38 - para ser rezada todos os domingos as 09:00hs da noite

Follow by Email

Quem sou eu

Minha foto

Acessem www.apparitionstv.com 
Adriana. casada, tenho dois filhos e sou agraciada por fazer parte da família de Maria Santíssima e dos Sagrados Corações Unidos nas Aparições de Jacareí-SP-Brasil ao seu escolhido Marcos Tadeu Teixeira.